(Thales Salgado)

Rompo o lacre e me deparo com aquela perfeição rósea. Salivo indeciso com a ideia de pressionar com o indicador para sentir a consistência. Meter uma colher no danoninho de morango é uma ofensa!

Alumínio, madeira, plástico, o material que for: são subterfúgios violentos. É você sentir o sabor da colher, ninguém gosta disso.

Há coisa melhor que degustar o eco de um queijo francês na intimidade de seu músculo mais forte?

Cada pote de danoninho é um universo no alto de seus 4cm. Você não precisa da língua de um integrante do Kiss, não vai haver resistência. Por isso mesmo, comer um danoninho com a língua é uma arte da lentidão.

Conheço quem prefira usar os dedos, opção até digna, mas haverá pele e unha.

A língua veste todos os sabores, não meter a colher é experimentar a vida.

danoninho