(Bia Taniguchi)

Conta-se que muito tempo atrás havia um mundo que quase caiu no esquecimento, pois ele era muito simples, monótono, sem graça. O céu aparentava ser escuro mesmo durante o dia. Os seres, os objetos, as paisagens, tudo era composto por uma imensidão negra. A escuridão era tanta que ninguém sabia ao certo onde as coisas começavam ou acabavam. Era como se o tempo estivesse parado, como se não houvesse vida ou morte.

Um dia, porém, um ponto branco apareceu no céu. Curiosos, todos que viviam naquele mundo foram se juntando. Ao se aproximarem, sentiram pela primeira vez a presença do outro – e puderam compreender melhor quem eles realmente eram. Quanto mais eles observavam as coisas, mais elas foram se revelando e novos sentimentos nasciam dentro deles.

Por causa desse clarão momentâneo, o mundo se revelou diferente, colorido, vívido.

Há quem diga que o mundo sempre fora iluminado e colorido, nossos olhos é que tiveram de aprender a vê-lo.